Imprimir esta página

SKA arranca e conta com contribuição do Reino Unido

O Ministro do Ensino Superior e da Ciência do Reino Unido, David Willetts anunciou hoje um financiamento de £100M (cerca de 120 milhões de euros) destinado ao projeto Square Kilometre Array (SKA) durante um evento no Jodrell Bank Observatory.

Ministro da Ciência do Reino Unido, David Willetts
O Ministro para as Universidades e para a Ciência do Reino Unido, David Willetts a 11 de Março 2014, na Sede do SKA.

O Science and Technology Facilities Council (STFC) confirmou igualmente um financiamento de £19M (cerca de 24 milhões de euros) no projeto SKA nos próximos quatro anos, provenientes de um investimento de capital de £11M (cerca de 14 milhões de euros) na chamada “Big Data” e de £2M (cerca de 2 milhões e meio de euros) anuais adicionais no decorrer do projeto.


Emblemático Observatório serve de sede à SKA Organisation: Jodrell Bank Observatory, Reino Unido.

“A seguir à Estação Espacial Internacional e ao acelerador de partículas (LHC) do CERN, o Square Kilometre Array assume-se como o maior projeto científico mundial”, segundo o Ministro. “O investimento em ciência é uma parte crucial do plano económico do governo a longo prazo. Trata-se de investir no nosso futuro, ajudando no crescimento de novas indústrias e na criação de mais emprego – e tal significará mais segurança financeira para a população do país.”

Isto representa um grande investimento no SKA, cuja primeira fase de construção foi avaliada em 650 milhões de euros.

De acordo com a atual agenda do projeto, o financiamento para a construção da primeira fase deverá ser confirmado até 2016, com o inicio da construção e da recolha de dados previsto para 2018 e 2020, respetivamente.  O anúncio do Ministro Willetts assegura uma parte significativa do orçamento da construção da fase 1, garantindo o arranque do projeto.

Na sequência deste anúncio, o Prof. Phil Diamond, Diretor Geral da SKA Organisation, declarou: “Este é um anúncio deveras importante para o SKA e uma prova concreta de o projeto estar agora efetivamente em curso. Com tão grande investimento assegurado, nada poderá parar este projeto.”

O projeto SKA resulta de uma união de esforços internacional para construir o maior radiotelescópio do mundo. Num grande passo em frente, tanto no campo da engenharia, como da I&D investigação & desenvolvimento, o SKA irá recorrer a centenas de discos e a centenas de milhares de antenas interligadas via fibra ótica, e co-localizadas em África e na Austrália.

Graças à sua disposição e dimensão, o SKA poderá vir a contribuir para a clarificação de algumas questões científicas, abrangendo temas de estudo como os buracos negros, a evolução da galáxia, a energia negra, o magnetismo cósmico, a gravidade e até questões relacionadas com a vida no Universo em geral.

David Willetts
David Willetts descerrando a placa comemorativa da cerimónia de inauguração da sede internacional do SKA em Abril de 2013. Fonte: SKA Organisation

O projeto SKA tem avançado a passo firme, com a nomeação da SKA Organisation como entidade supervisora do projeto em 2011, com a seleção dos dois locais de construção em 2012, e o inicio da fase final da concepção do projeto em Novembro de 2013, com a definição de 11 equipas de trabalho – o chamado consórcio – cada uma delas concebendo um elemento específico do telescópio. Isto representa mais de 350 cientistas de cerca de 100 organizações dos sectores público, privado e industrial provenientes de aproximadamente 20 países de todo o mundo, a trabalhar em conjunto neste projeto revolucionário.

Prof. John Womersley, Diretor Executivo da STFC do Reino Unido e presidente do conselho de administração do SKA declarou: “São notícias fantásticas para o SKA. Isto representa um investimento significativo por parte do Reino Unido, e a par das nossas outras contribuições, pretende confirmar o papel de liderança do Reino Unido em aspetos essenciais do projeto”.

O Reino Unido está já fortemente empenhado no desenvolvimento de software e programas computacionais, os quais terão uma capacidade de processamento de dados 1000 vezes superior aos atualmente existentes.

Os £19M (cerca de 24 milhões de euros) provenientes da STFC irão servir de apoio aos três principais institutos técnicos do SKA no Reino Unido, as Universidades de Cambridge, Manchester e Oxford, bem como à Universidade de Southampton e ao College London.

O anúncio surge em simultâneo com a reunião do conselho de administração do SKA na sede do mesmo, onde estiveram presentes representantes de topo dos 11 países membros participantes. Em jeito de confirmação do futuro promissor do SKA, é expectável a adesão de mais estados membros à SKA Organisation em 2014.

Leave a Reply